terça-feira, 23 de novembro de 2010

Entrevista com Muniz Sodré

Muniz Sodré de Araújo Cabral, nasceu em São Gonçalo dos Campos, na Bahia, em 12 de janeiro de 1942. Graduou-se na Universidade Federal da Bahia, em Direito; Mestrado em Sociologia da Informação e Comunicação, na Université de Paris IV (Paris - Sorbonne); Doutorado, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, em Letras (Ciência da Literatura); Pós-Doutorado, na Universite de Paris IV (Paris-Sorbonne), U.P. IV, França; e titulo de Livre-docência, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Brasil. É presidente da Fundação Biblioteca Nacional, órgão vinculado ao Ministério da Cultura, jornalista, sociólogo, tradutor brasileiro, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, na Escola de Comunicação, e um dos maiores pesquisadores brasileiros e latino-americanos no campo da Comunicação e do Jornalismo.

Por email Muniz Sodré, nos responde algumas perguntas:

1.      Quantos livros você já escreveu e quais são os que considera os mais importantes?
Escrevi 34 livros, que abrangem as áreas de (a) estudos de mídia, (b)cultura brasileira e (c) ficção (um romance, uma novela, três livros de contos). Gostaria de destacar: As Estratégias Sensíveis -- afeto, mídia e política (Vozes, 2006), Antropológica do Espelho (Vozes, 2003), A Verdade Seduzida (DP&A) e O Terreiro e a Cidade (Imago).
 
2.      Qual o seu principal pensamento teórico?
 Desenvolvo duas linhas teóricas principais: midiatização e cultura nacional. No primeiro caso, busco mostrar que o conceito de ´"medium" ultrapassa o mero suporte técnico e se constitui como uma nova esfera virtual, acionada por tecnologia e mercado. No segundo, procuro pensar os modos como a cultura afrobrasileira contorna a metafísica ocidental.
 
3.      Para um leigo com você explicaria o que é tecnocultura, e o que influencia na vida das pessoas?
 Tecnocultura é uma designação possível para a influência das novas tecnologias da informação e da comunicação sobre os modos tradicionais de se produzir ou se relacionar com o sentido. Evidentemente, teríamos agora de explicar o que se entende por "sentido". Isso iria demorar...
 
4.      O que você acha de ser um dos mais influentes pensadores latino-americanos?
Quanto a ser pensador latino-americano influente, isto é bondade de amigos, repercutida por vocês. Acho que o termo "pensador" me basta. Gosto dele.
 
5.      Qual a importância da teoria da comunicação na atualidade? 
 A teoria da comunicação permite-nos relativizar o suposto poder disciplinar das clássicas compartimentalizações do pensamento social. É que a comunicação é poderosa organizadora de interfaces, práticas e teóricas.
 
6.      O que você considera grotesco?
 Grotesca é cara de quem fala de democracia enquanto tenta sufocá-la na prática.
 
7.      Qual a teoria que mais se adequa ao trabalho que o senhor desenvolve?
 Teoria adequada? A minha própria, não?
 
8.      O senhor acha que a bibliografia disponível é suficiente para dar uma base aos estudos de teorias de comunicação? 
 Bem, em "bibliografia disponível" eu incluo livros em língua estrangeira. Acho que é suficiente, sim.
 
9.      Entre os seus livros sobre comunicação, qual o senhor considera mais completo, mais atual? Por quê?
 Antropológica do Espelho e As Estratégias Sensíveis se completam e são atuais.



Eduarda  rosa   
filipe  prado    
jhonatan xavier 

Nenhum comentário:

Postar um comentário